quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Para registro, ainda não recebi nenhum contato da Pradomatic. Mandei hoje mais um e-mail, que segue reproduzido abaixo:

Marcus, 

Pela falta de resposta eu imagino que você não tenha mais intenção em efetuar a restituição do farol danificado pela oficina. A indignação manifestada por vocês quando sugeri o abatimento do valor do farol (em agosto de 2011) não parece muito justificada agora.

De qualquer maneira, escrevo para verificar se há algo no blog que considere inverídico, tendencioso ou injusto. http://meucarronaoficina.blogspot.com/

Garanto que publicarei sua resposta, integralmente, seja ela qual for. 

Cordialmente,

Rodrigo.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

E o que pensam as outras oficinas sobre a PRADOMATIC?

Naturalmente não vou expor aqui os depoentes, mas como gosto de carros e de mecanica, frequento muitas oficinas. Em quase todas sempre tive uma experiência muito boa. Sou aquele tipo que se volutariza pra levar o carro dos amigos para revisão, conserto ou manutanções. Gosto de observar o trabalho e de aprender com os mecânicos, e muitas vezes acabamos conversando.

Como não tenho prova do que digo, sugiro ao leitor, caso se interesse, que percorra os bairros adjascentes à oficina perguntando sobre as impressões dos profissionais de mecânica sobre a PRADOMATIC.

O que eu ouvi foi:

Oficina 1: O Marcus é muito gente fina, mas é ruim trabalhar com ele, eu antigamente mandava carros com problema de câmbio pro pai dele consertar, mas hoje eu não faço mais isso.

Oficina 2 (fornece peças): Eu deixei de atender a PRADOMATIC, tivemos muitos problemas e a minha instrução é não vender a eles.

Oficina 3: Você não é o primeiro que me relata problemas com a PRADOMATIC, e não será o último...

Oficina 4: ...É... o Prado é complicado...

Oficina 5: Eu prefiro não comentar nada sobre a PRADOMATIC... prefiro nem falar no assunto.

E os conduítes? Tudo 100%!

Amigos da Rede Bobo! Nessa época maravilhosa São Paulo pára, com aquela árvore no Ibirapuera, as decorações nas principais avenidas e a síndrome de compras, nós paulistanos somos submetidos a um trânsito que desafia os limites do espaço-tempo e um calor de vaporizar o asfalto.

É uma excelente época para testarmos o sistema de arrefeciemnto do óleo do câmbio! Em verdade é uma época para se teestar QUALQUER sistema de arrefecimento, mas nosso objeto aqui é o câmbio.

Muito bem.

Quando, após muito sangue, suor, lágrimas e óleo de transmissão DEXRON III a PRADOMATIC me entregou o Bombeiro (funcionando), implorei, quase que de joelhos para que o Roberto examinasse os conduítes que levam óleo ao radiador. A resposta foi "Rodrigo, está tudo 100% pode ir até o fim do mundo que o câmbio tá zero e os conduítes estão perfeitos.

Essa semana em uma manutenção de rotina, com o carro no elevador, deu pra ver que os conduítes estavam longe dos 100%... na verdade, estavam contorcidos, raspando na barra estabilizadora, e com as mangueiras dobradas, restringindo a passagem do óleo.

Claro que isso não pode ser atribuído à PRADOMATIC, que não efetuou nenhum reparo nestes, mas fiquei alarmado com a afirmação de que estavam OK.

Comentei com o mecânico

Rodrigo: "você acredita que esse carro ficou 14 meses numa oficina pra ver o câmbio e não repararam isso"?

Mecânico: "Qual oficina" ?

Rodrigo: "Paradomatic"

Mecânico: "Meu amigo... sobre essa oficina, eu prefiro não falar nada"


Três meses e nada

A época me lembra os primeiros MESES em que meu carro repousava eternamente em berço espelêndido na PRADOMATIC.

Na ocasião eu me deitava todos os dias com a ingênua esperança de que meu carro estaria pronto para uma viagem de Natal com a família. As lições amargas da vida são as que melhor aprendemos.

Muito bem, estamos aqui a três meses da promessa de reposição de meu farol de milha.

Saravá.

domingo, 13 de novembro de 2011

Dois meses e nada...

Essa semana mandei dois e-mails ao Marcus (sem resposta). Seguem abaixo (cronologicamente, de baixo para cima). Neles dá pra ver que a Oficina me presenteou também com uma multa. Ela foi descontada quando paguei as peças adicionais (as que nunca estiveram no orçamento) porém os pontos ficaram pra mim mesmo....

Rodrigo S Carvalho
Nov 3 

to PRADOMATIC

Olá Marcus,

Alguma novidade sobre a reposição do farol? No dia 31/8 deixei todos os dados com vocês, mas se precisar de alguma ajuda eu estou à disposição.

Aqui no Brasil o único vendedor que tenho notícia é a Protune mas está esgotado: http://www.protune.com.br/details/pcbfarol7/farol-pro-comp-motorsports-driving-7

Eu comprei o meu (par) na Garra 4x4 e o par custou na época (2008) 690 Reais. Depois comprei outro para repor o quebrado e o custo (produto+frete+impostos) foi de 340 (apresentei os comprovantes ao Roberto e à Juliana na ocasião).

Pra mim tanto faz se me entregar o farol o reembolso. Lembrando que desconsideramos o conserto do párachoque, uma vez que substituí por um novo.

Abraços.


2011/8/11 PRADOMATIC <pradomatic@uol.com.br>
Olá Rodrigo, já está em tempo de acertarmos as peças do cheroquee, você já tem o preço que fiz para você então vamos resolver isso de uma vez. Vou precisar disso pois as peças que tenho em estoque são para venda, é ruim, para mim emprestá-las, não condiz com o objetivo do negócio.

De: Rodrigo S Carvalho [mailto:rsucesso@gmail.com]
Enviada em: quarta-feira, 10 de agosto de 2011 19:35
Para: PRADOMATIC
Assunto: Cherokee Vermelha

Oi Marcus,

Abriu uma "vaga"por aí pra eu levar a cherokee? Em tempo, me chegou uma multa de transito em rodízio do dia 10/5, já paguei, mas depois vemos na nossa conta final.

Abraços

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Uma fofoca pra quebrar o gelo...

Amigo meu lendo esse BLOG me aconselhou tirar a fofoca do ar. Pelo menos que haja uma confirmação da veracidade, ocasião em que a fofoca tornar-se-a fato, e não boato.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

A "última" visita. (Será?) e as animosidades

Tomei um tópico extra para contar o que aconteceu no momento de acertar as contas.

Todos felizes, o barulho parou. A Juliana (recepcionista não muito sorridente) me estendeu um papel com aquela relação de peças (os "extras" que apareceram de surpresa). Inglório na busca pelas peças que eu havia prometido repor (sem obrigação legal, diga-se de passagem) propus o pagamento delas, desde que abatida a margem de lucro do estabelecimento sobre a venda de peças (que em outra ocasião Marcus me disse ser 30% mas agora me afirmava ser 20%) e a multa.

A proposta foi aceita. Perguntei se a oficina abateria também o valor do farol quebrado (desconsiderei o parachoque e a polaina, pois instalei um novo por minha conta).

Como eu já havia comrpado também o farol para reposição, apresentei as notas fiscais comprovantes da importação. (total de 340 Reais)

Roberto foi ao fundo da loja telefonar para Marucs (que estava ausente) e retornou dizendo que não aceitava, e que a oficina iria importar o farol. (Acharam alto o valor das notas que apresentei).

Aceitei, porém sugeri então que eu pagasse 340 Reais a MENOS até que o farol fosse reposto, valor que eu pagaria no recebimento.

A proposta não poderia ser sido recebida com maior rejeição


Roberto, com evidente alteração emocional,  repetia com certo transtorno "dá licença... tô me fu***ndo aqui, dando o r**o pra todo mundo, querendo adiantar o seu lado e você vem me falar uma coisa dessa? Você não confia em mim?"

Fechou a porta da oficina (prendendo meu carro no interior) e disse "Quando chegar o seu farol você busca seu carro" Andava nervoso para o fundo da oficina, dava as costas, erguia os braços e falava com voz baixa palavras inaudíveis.

Juliana ficou me olhando impávida. Ainda que contrariado eu disse à ela: "Juliana, pode cobrar o valor total que o Roberto está chorando, e eu não aguento ver um homem crescido chorando."

Marcus chegou em seguida, perdendo por alguns segundos o espetáculo. Explicitei a ele minha surpresa ao ver a lamentável reação de um de seus funcionários mais importantes (seguramente a segunda pessoa mais importante na oficina, após o Marcus).

Marcus reforçou a posição de que a oficina havia me confiado no passado o valor das peças (aquelas, que não foram consideradas no orçamento) e que eu não estava sendo recíproco ao requerer a garantia.

E assim, com essa promessa de me trazerem o farol, deixei, talvez pela última vez, a oficina.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Vejam vocês: E não é que o barulho parou?

Pasmem, disse a oficina que "somente por desmontar e montar o câmbio", o barulho parou.

O oficina não não quis emitir um parecer sobre o que estava causando o barulho, apenas se contentou em ficar com meus 980 Reais. (Que conste que o carro estava em garantia).

Marcus chegou a sugerir que eu desmontasse a tampa do correia de vávulas para encontrar o barulho, que "definitivamente não vinha do câmbio"

A MINHA opinião é que a montagem do câmbio negligenciou o alinhamento do inspection cover, ou os parafusos que prendem o conversor de torque ao volante do motor estavam frouxos.

Mas sem os fatos eu só tenho uma opinião.... E 980 Reais a menos na carteira. Além dos 6600... dos 2415 de "extras"... e um farol quebrado... e um parachoque amassado... e uma polaina amassada e mal pintada...

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O conserto já passa de 10 mil Reais - Paaarabéns!


Levei de novo na Pradomatic e IMPLOREI para darem uma volta comigo. Depois de muito andarem, me disseram que "não era no câmbio". Eu insisiti, pois assisti quase 100 horas de vídeos no youtube, onde um desalinhamento na "inspection cover" (uma latinha entre o câmbio e o motor) causa um barulho exatamente igual a esse. Nos videos relacionados há diversos, esse é de uma Grand Cherokee.


Me disseram que eu estava errado, mas se eu PAGASSE poderiam desmontar o câmbio. Confesso que me senti ultrajado ao me pedirem 980 Reais (só pra tirar e pôr a transmissão) para verificar um problema que eu julgava causado pela oficina. Por mais absurdo que pareça, na ânsia de após um ano querer ver meu carro pronto, aprovei o orçamento.

Na relação de peças ainda apareciam três selos de motor, ao preço de 180 reais. Achei estranho alegarem ter visto isso apenas agora, afinal me foi dito que desmontaram meu câmbio 6 ou 7 vezes....
Aprovei. (em consulta posterior na concessionária Europa Motors, a poucos quarteirões da oficina o jogo com 9 selos era vendido a 20 isso mesmo vinte Reais).

A brincadeira do meu câmbio, inicialmente orçado em 6600 Reais jã ultrapassava oficialmente os cinco dígitos.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Barulho infernal 5 - e agora?

E agora estou num mato sem cachorro.... Meu carro faz um barulho infernal. É possível me ouvir chegando a quase um quilômetro de distância. de 5 mecânicos consultados. 6 disseram que o barulho vem do câmbio (o sexto foi o eletricista, que não foi consultado mas ao ouvir disse "xi... seu câmbio tá batendo".

Acontece que se qualquer mecânico tocar no meu câmbio eu perco a garantia, e quem emitiu a garantia não reconhece o problema como dela.

A cada visita à Pradomatic o Marcus me refresca a memória dizendo há quantos anos está no ramo, (o que aparentemente o credencia a estar sempre certo).

sábado, 16 de julho de 2011

Tentando encontrar as peças para devolver à Pradomatic

Sou fluente em inglês, conheço diversas lojas de peças nos EUA, compro frequentemente peças de reposição para o meu carro em outros países.

Porém, estou tendo dificuldade em encontrar as peças que prometi restituir à oficina. O problema se agrava pois a Pradomatica não pôde me prover de nenhuma nomenclatura, código ou qualquer referência sobre a peça, a única informação foi essa folha de papel impressa, com uma IMAGEM das peças. Vejam:


Como são peças de estoque, sugeri ao Marcus que me listasse quaisquer outras peça numa cesta com o mesmo valor, o que me eliminaria a chance de trazer algo errado.

Ele não concordou. Pelo visto vou acabar pagando em dinheiro mesmo. Mas eu acho que a oficina poderia me fornecer algo mais além dessas imagens. 

Se algum dos leitores souber do que se trata, por favor me ajude. Tenho amigos nos EUA que visitaram as lojas, mas sem uma referência, não puderam me ajudar.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Barulho infernal 4

Situação complicada a minha: Levei em mais dois mecânicos, um geral (oficina cara, e bem recomendada pelo portal Mercedes Benz e pelo 4x4Brasil) e novamente o veredito: o barulho vem do câmbio.

Levei em mais uma, pra tirar a teima, rezando pra não ser o câmbio e de novo acusaram a transmissão.

Por fim, levei em mais uma oficina (especializada em Chrysler) e me disseram de novo que era o câmbio. 

Munido de toda essa certeza, voltei à Pradomatic. Mas me disseram que "com certeza não era o câmbio"

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Barulho infernal 3

Levei em uma oficina de Jipes para ver se o barulho era do 4x4, na ora me disseram:

"Amigo, você fez alguma coisa nesse câmbio, o barulho vem dele"

Examinaram por algumas horas, e concluíram: "É o câmbio"

Levei de novo na Pradomatic, comentei com o Marcus que me disse " Manda esse mecânico de jipe parar de falar mer*a e cuidar da vida dele"

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Barulho Infernal 2 - e meu sensor de temperatura do óleo desapareceu

Não aguentei levei de volta á oficina. O Marcus me disse que tem certeza que o barulho não vem do câmbio.

Há alguns MESES atrás, em alguma das inúmeras visitas, o Marcus muito gentilmente me ofereceu como cortesia a instalação de um sensor de temperatura do óleo do câmbio automático (que eu trouxe dos EUA). Achei ótimo e conveniente, pois se eu instalasse em outra oficina, poderia perder a garantia.

O caso é que o sensor nunca foi instalado e desapareceu na oficina. O Marcus jura toda vez que me vê que irá procurá-lo mas até hoje nunca achou... mais uma coisa pra lista de "write off"....

terça-feira, 5 de julho de 2011

Barulho infernal

O câmbio ficou estranho. A ré demora a entrar e o pior, um barulho infernal parece vir dele. Como a oficina JUROU que não é o câmbio (ainda que inexistisse antes do conserto) eu ainda ACHO que vem de lá.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Carro pronto... De novo.

Não era o TPS
Não era o cabo do kickdown
Não era quase nada do que a oficina havia tentado. Na verdade o "quase" não cabe aqui pois não era efetivamente, nada do que havia sido suspeitado em quase um ano de internação.

Tratava-se mesmo do vazamento interno do suporte do overdrive.

Serei breve e didático, porque o que se segue beira o surrealismo:

Para retirar o carro, a oficina me apresentou um orçamento novo de 2415 reais, a título de peças que não foram consideradas no roçamento inicial. Vou dizer de novo, pois pode ter restado dúvida: Na hora de retirar o veículo, (em tese, finalmente reparado) a oficina me surpreendia com uma conta de "extras" de 2415.

Que conste da ata que eu já havia pago 6600 (seis mil e seiscentos) reais há meses, com a promessa de que esse era o valor do conserto do câmbio.

Fazendo as contas, o conserto do câmbio me saía em 6600 + 2415 + um párachoque + uma polaina + um farol ProComp. Ah sim, e mais um ano da minha vida.

Protestei, os ânimos se exaltaram. Marcus chegou a sugerir que eu fosse embora sem pagar nada.
Ainda que a lei me amparasse caso decidisse não pagar mais nada (por óbvio) me ofereci para eu mesmo importar as peças utilizadas.

Apertamos as mãos e fui embora.

Sobre a batida: A oficina ficava devendo só o farol, o resto já estava reparado. Abaixo dá pra notar o conceito de "reparado" deles:


Essa foto foi de como ficou o "conserto" que a oficina fez no meu carro. Vejam que servicinho: pintaram até a lataria (vermelha) de preto fosco. Abaixo dá pra ver como o pára-choque foi danificado.




quinta-feira, 19 de maio de 2011

Dia 253 - Identificado o suspeito

Hoje o dia foi de entusiasmo. Cheguei na oficina e o Roberto me recebei com um sorriso: meu câmbio já estava montado e sendo instalado do bombeiro. Contando com essa, é a quinta ou sexta vez que ele entra e sai.

Marcus me mostrou o suporte e as marcas de desgaste que ele apresentava. Não sei ao certo precisar como se chama essa peça, parece um tambor que envolve parte do câmbio.

Dedos cruzados. A previsão é que talvez dê pra fazer um teste ainda hoje.


terça-feira, 17 de maio de 2011

Dia 251

Hoje achei esse "gadget" à esquerda que mostra o tempo decorrido desde a entrada na oficina. Bom pra me ajudar a saber quão grande é minha paciência:

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Dia 250 - estou jogando a toalha

A informação do Marcus foi que havia um vazamento no suporte (não sei precisar exatamente que suporte). Esse vazamento pode ser a causa de todos os problemas. Mas o leitor atento vará que o histórico de suspeitas, tentativas e erros não é muito animador para uma nova suposição. Fiz esse blog com o intuito de manter um diário objetivo, técnico e isento de emoções. Então termina por aqui o meu post de hoje.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Dia 244 - As últimas tentativas

Hoje apareci de novo na oficina (essa introdução já poderia ser automática...) e o Marcus me disse "estamos em cima disso". Fiquei lá imóvel e me convidou pra dar uma volta. Quem sabe uma luz nova poderia sugerir algo ainda não pensado.

A situação é: Todo o master kit foi torcado, mais de uma vez. A caixa de válvulas é nova, assim como as solenóides. O TPS está funcionando direitinho dentro das especificações. Pelo scanner tá tudo 100% a não ser um sensor de oxigênio, mas creio que isso não interfira no câmbio).

O cambio trabalha bem, forte e tudo mais. O caso é que quando se pisa fundo e a pressão no sistema aumenta (dá pra ver pelo manômetro que está acolpado) o cambio entra em "stall", engata duas marchas ao mesmo tempo e perde força.

Esse fenômeno vem acontecendo desde o primeiro dia que me entregaram o carro e até hoje não se deu jeito.

Já tentaram de tudo e o Marcus me disse que já começou a procurar um câmbio usado... quer dizer que estão fazendo as últimas tentativas. Se não ser certo é câmbio novo.

Agora desmontaram mais uma vez tudo, o câmbio voltou pra bancada. Vão tentar pela última vez identificar algum vazamento ou trinca que possa ser o culpado.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Dia 243 - ...Rodrigo... ele não está...

Curioso pra saber o diagnóstico com o novo TPS:

Liguei 5 vezes.

Da primeira vez o Marcus não estava.
Da segunda também não, pedi pra retornar quando voltasse
Da terceira não atendeu
Da quarta estava fora, pedi pra retornar quando voltasse

Na quinta vez:

_Alô, por favor o Marcus
_Quem deseja falar?
_Rodrigo, da Cherokee vermelha
_Só um minuto...

alguns segundos depois...

_Rodrigo... ele não está...


Ainda bem que moro perto da oficina.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Dia 240 - Decepção

TPS novo no carro. Não melhorou nada. Pelo computador a voltagem não é a ideal.
Estou sem ânimo de escrever.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Dia 239 - Chegou meu TPS

Ontem o TPS chegou. Entregue bonitinho em casa pela FEDEX apenas seis dias após o pedido.
Foi mais uns 90 reais de impostos pela importação (que são pagos na hora da entrega, quando a encomenda vem por transportadoras independentes como FEDEX ou UPS).

Amanhã levo na oficina. Minhas orações são para essa seja a causa do problema, mas acredito que existam outros contribuintes.

Aproveito pra fazer propaganda da Rockauto, www.rockauto.com pedi a peça na quinta e na quarta feira da semana anterior ela estava entregue. A peça em si foi 45 dólares e aqui no Brasil sairia por quase 800 Reais. Recomendo muitíssimo pra quem tem carro importado.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Dia 232 - *B*: E não é que o TPS estava ruim?

Pela tarde Marucs me ligou, disse que meu TPS estava ruim (o mesmo TPS que segundo ele estava bom pela manhã). Foi acusado no scanner que a peça já era.

Questionei o fato de ter diso passado o scanner no carro 232 dias depois da internação. Mas ele argumentou que nos scanners modernos que ele já havia passado, nada foi acusado. E que agora testou com um scanner antigo e achou o TPS.

Em seguida, me pediu pra que eu providenciasse a peça. Estranhei, pois desde o início sempre fui solícito em providenciar as peças para reparo (uma vez que eu era o maior interessado em conseguir preços e prazos de entrega menores) mas ele sempre me dissuadiu, dizendo que tinha os melhores contatos e fornecedores de peças nos Estados Unidos. Insisti algumas vezes para ele fizesse a compra pela oficina (pra mim o padrão é a oficina ir atrás das peças) mas ele me disse que essa peça era de motor e não de câmbio. E também não tinha um cartão de crédito internacional que pudesse efetuar essa compra.

Sinceramente eu não achei isso muito bacana, mas não queria ficar batendo boca. Achei a peça na Rockauto (www.rockauto.com), confirmei por e-mail com o Marcus a similaridade e encomendei. Foi 94 dólares, entre preço da peça e frete. Essa aí abaixo é ela:

Dia 232 - Aula prática

Ontem pela manhã apareci na oficina. Marcus estava atento ao computador que diagnosticava o cambio de uma Maseratti, (que tem mais tempo de casa que o Bombeiro, na primeira vez que fui à oficina ela já estava lá.).

Deixou de lado a Maseratti e me explicou que pretendia fazer uns novos testes com meu carro, usando um corpo de válvulas de Lexus.

O problema: Com o óleo quente, a pressão do sistema fica instável ao de acelerar até o final de curso

Na Noite anterior eu fiz algumas pesquisas pela internet e li que em alguns casos o senhor de posição do acelerador (trottle position sensor, ou TPS) pode estar com problemas, prejudicando todo o funcionamento do câmbio.

Marcus me disse que não era isso, que meu TPS estava OK. Com os dedos no vidro do carro, desenhou um esquema do funcionamento de um TPS, mas que essa possibilidade estava descartada pois havia feito testes com o equipamento eletrônico.

A visita foi especialmente interessante pois ganhei de brinde uma ótima aula de como funciona uma caixa de válvulas. Realmente é um sistema muito interessante e complexo, com avançadas aplicações de hidráulica e dinâmica dos fluidos. A aula durou mais de uma hora, com direito a conhecer diversas peças que o Marcus havia serrado ao meio para fins didáticos.

Próximos passos: Testar caixa de válvulas do Lexus no bombeiro.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Dia 230 - Carro na rua para testes

Marcus me telefonou hoje, estava andando com o Bombeiro para realização de testes.

A combinação que estava usando era: caixa de válvulas original (a antiga, que veio no carro) com as solenóides novas (que vieram na caixa de válvulas nova).

A impressão relatada por ele é que o carro está se comportando muito bem, com trocas suaves e no tempo certo. Continuaria testando.

O farol de milha quebrado e a polaina do parachoque foram creditados ao mecânico dele que em um dos testes colidiu com um caminhão na rua.

Os estalos misteriosos não tinham origem no cárter de óleo (como suspeitavam) e agora me disse que pode ser no cardã dianteiro.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Dia 223: Um enigma e uma surpresa

Para não perder o costume, conduzi-me (a pé, por suposto) à oficina para saber das novidades. Na última sexta-feira, após o desconforto gerado por este blog na Pradomatic, os boletins previam uma solução em breve.

Mas... fomos novamente surpreendidos. Mesmo com a mola montada agora do modo correto o câmbio insiste em não se comportar. O sintoma é: ao se pisar fundo, quando deveria entrar o kickdown, o câmbio "brocha". Um manômetro mostrava a pressão do óleo e via-se o fenômeno se reproduzir no ponteiro. Ao se pisar no acelerador a pressão ia subindo e a partir de certo ponto. Caía.

Trocaram (acho que mais de uma vez) a caixa de válvulas e continua tudo igual.

A surpresa desagradável foi encontrar o farol de milha quebrado e a polaina do párachoque amassada. Marcus me prometeu que vai cuidar disso.


  • O problema: enigma da pressão de óleo que
  • Próximos passos: não se sabe ainda. 
  • A promessa: impossível determinar

sábado, 16 de abril de 2011

Dia 220 - Uma mola montada errada...

Omtem de manhã retirei esse blogo do ar a pedido do Marcus. que então por volta do meio dia me ligou dizendo que passou a manhã junto com o mecânico desmontando meu câmbio. Pelo tom de voz deu pra ver que o meu carro passou a ser a prioridade máxima, não apenas na oficina, mas também na vida de todos na Pradomatic.

A informação nova foi que o Marcus identificou um defeito grave na montagem do câmbio (que foi feita lá em novembro de 2010): Uma mola estava montada ao contrário. O motivo foi imperícia de um funcionário que segundo ele foi duramente repreendido. A oficina assumia o erro e se considerava responsável pelo tempo que o carro passava na oficina.

O conversor de torque também foi desmontado (tudo isso numa manhã) e estava com estado impecável, ou seja, não era ele o culpado. Então os estalos não vinham dele. Marcus disse que iria desmontar o escapamento pra ver se o catalizador seria o responsável. Eu pessoalmente acho que não é e ainda aposto que a origem dos estalos reside na montagem da caixa de redução.

Resumindo: Tá tudo desmontando, vão montar de novo com a mola do lado certo agora e ver no que dá.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Dia 219 - A oficina lê o blog...

Ao telefone, após os assuntos técnicos do post anterior, o mecânico Roberto me disse que esse blog não foi bem recebido pela Pradomatic e que eu havia "pisado na bola".


Me ligou em seguida o dono da oficina (Marcus) e me pediu na qualidade de amigo para que o Blog fosse retirado do ar. Ainda, me disse que não me autorizou a publicar imagens da oficina.

Assim amigos, atendendo a educada solicitação do Marcus, o blog passa a não mais ser público. Manterei para meu controle pessoal as informações aqui publicadas, mas vocês não mais poderão acessá-las.

Dia 219 - novo desmonte

Hoje recebi uma ligação às 8h03 da oficina para me atualizar sobre a situação do reparo. A recepcionista me disse que o câmbio será novamente desmontado para verificar se o problema é no conversor de torque ou se o problema são os discos. A projeção dela foi mais otimista: Disse que fica pronto na próxima terça-feira

Pouco depois recebi novo telefonema, dessa vez do mecânico, que reiterou que a caixa vai pra bancada e afirmou mais uma vez que a ofcina tem empenhado todos seus recursos e destinado toda atenção ao meu caso.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Dia 218 - o conversor de torque não ficou bom...

Carro era prometido para amanhã. Liguei para a oficina hoje e falei com o mecânico Roberto...

  • a informação: Os estalos que eram ouvidos foram creditados ao conversor de torque.
  • próximos passos: Desmontar o câmbio e trocar o conversor de torque por um outro.
  • a promessa: Em quinze dias me entregam o carro.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Dia 216 - Alguns ajustes ficaram errados...

O carro está no elevador, o dono da oficina me contou que pesquisou e descobriu que o cabo TV pode sim influenciar a ré. Disse que na sexta feira talvez me entregue o carro.

  • A informação: cabo TV tem relação com a ré, uma solenóide não estava 100% e alguns ajustes estavam errados
  • Próximos passos: montar a caixa de válvulas 
  • A promessa: próxima sexta

terça-feira, 29 de março de 2011

dia 202 De volta à oficina (de novo)

A alegria do final de semana durou pouco. Deixei o carro novamente na Pradomatic para ver porque a ré anda falhando. Alguns estalos são ouvidos com o veículo em movimento. Isso pode ser o conversor de torque, mas também pode ser qualquer coisa. Suspeito da cruzeta da caixa de redução pro cardã dianteiro.

  • A informação: Vai desmontar e diagnosticar
  • Próximos passos: depende do diagnóstico, mas de qualquer maneira vai montar o cabo TV novo
  • A promessa: sem previsão

domingo, 27 de março de 2011

Dia 200 - E o vilão era o cabo TV (time valve)

Dessa vez recebi a notícia que o carro está pronto. O problema identificado foi no cabo TV. Alegadamente não estava em bom estado. Fiquei curioso pelo fato disso ter passado desapercebido por 200 dias.

Um novo foi encomendado e deve chegar na próxima semana. Enquanto isso eu poderia andar sem problemas. Quase estourei um champagne.

A alegria durou pouco. Descendo uma ladeira íngreme o carro não conseguiu subir de ré. Patinava, trepidava, mas não havia cristo que o movimentasse de ré ladeira acima.

terça-feira, 1 de março de 2011

Dia 174 - A caixa de esferas

Apareci de novo pela manhã na Pradomatic como tenho feito de vez em quando. Que felicidade, meu carro não estava na oficina, tinha saído para uma volta, o que indicava que estava em condição de marcha!

Devo dizer que não havia sido informado que o carro estava pronto, então não deveria esperar que assim estivesse. Mas, aproveitei para dar uma volta com o dono (Marcus) e o mecânico (Roberto).

Em poucos metros nós três silenciosamente percebemos que não seria hoje que eu levaria o veículo para casa. O câmbio ainda estava sem força e o carro "estolava" como dizia o mecânico durante o trajeto.

Marcus me disse que suspeitava da caixa de esferas. Então, o carro continuaria por lá.

  • Informação: Vai abrir de novo a caixa de válvulas e conferir o mapa de esferas
  • Próximos passos: acima
  • Prazo: não perguntei

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Dia 161 - Chegou a junta da caixa de válvulas

Hoje apareci de novo na oficina, boa notícia. Chegou a junta na caixa de válvulas. E ela serve!

Como o carro já está a mais de cinco meses na oficina, pedi pro Marcus que no dia em que o carro ficasse pronto (provavelmente em alguns dias, o tempo de montar a junta) ele refizesse a garantia, que passaria a ser contada a partir do dia da entrega do carro efetivamente "pronto".

Sempre gentil e honesto, Marcus disse que isso não seria problema algum. E ainda me ofereceu como cortesia a instalação de um sensor de temperatura do óleo de câmbio que eu havia comprado no e-bay.

Achei a atitude muito boa, que demonstra preocupação com o cliente. Acho que essa história chegará em breve ao um desfecho feliz.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Dia 155 - A junta da caixa de válvulas

Toda semana tenho ido pessoalmente ou telefonado para a Pradomatic. O problema atual informado é que o mecânico, ao montar a caixa de válvulas, danificou a junta e uma nova está sendo providenciada.

Afortunadamente o dono da oficina (Marcus) é muito bem relacionado com fornecedores de peças nos Estados Unidos e consegue a peça entregue aqui no Brasil em dois ou três dias úteis.

O problema é que faz uns vinte dias que diversas peças são entregues aqui mas... nenhuma delas serve. Pelo que me explicou Marcus, minha caixa de válvulas é diferente de todas as Cherokees vindas para o Brasil.

Vou continuar aguardando.

Como o reparo está sendo feito em garantia não me sinto no direito de exigir que comprem essa peça aqui no Brasil mesmo.
  • Informação: Não se consegue uma junta da caixa de válvulas que sirva no meu câmbio.
  • Próximos passos: Tentar até conseguir uma que sirva
  • Prazo: Impossível dizer

domingo, 16 de janeiro de 2011

Dia 130 - Feliz ano novo

O carro está até hoje na oficina... montaram na quinta feira (pela terceira vez) e por telefone disseram que vão ter que desmontar e fazer novamente. 


Quando eu pergunto o que havia de errado a resposta é "está havendo vazamento interno na caixa".

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Dia 104 - De volta à oficina

Bomba de gasolina trocada, é hora de voltar na oficina e mostrar que a culpa não era dela.


Deixei ontem de volta na oficina e dessa vez quem me recebeu foi o dono. Ele andou dez metros com o carro e teve uma atitude muito honesta: Disse que câmbio está horrível e que vai refazer tudo. Quando voltar (de novo) posto aqui a versão dele do problema.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Dia 102 - Saída para o indulto de Natal?

Troquei a bomba de combustível, mas o problema misterioso de perder força em alguns momentos persistiu. Gastei quase um tanque fazendo testes de madrugada por São Paulo em todo tipo de velocidade, inclinação e rotação. Os sintomas foram os seguintes:

1) Mudanças de marcha no tempo certo 
2) Arrancada a partir da imobilidade bem forte, como deve ser
3) retomadas em alta velocidade perfeitas
4) o grande problema: um total fracasso em subidas íngremes na cidade. Quase não subi a Ministro rocha azevedo
5) quanto mais se força, ou seja, em seguidas subidas íngremes o problema se agrava

A segunda marcha está ruim... O carro sai bem, mas logo que passa pra segunda marcha perde torque e fica sofrendo pra evoluir, patina e até que entra a terceira marcha e o carro deslancha. A quarta então entra como um soco nas costas, perfeita.

Em subidas em baixa velocidade é uma vergonha. Carros mil cilindradas me empurrando como se eu fosse um treminhão na serra. Aí é só aliviar o pé que quando a marcha cai pra primeira a XJ retoma a subida com dignidade.

O problema é bem discreto com o carro frio, logo quando começo o "passeio" e vai se agravando conforme forço o câmbio com subidas ou arrancadas mais fortes. Sinto o câmbio aquecendo pelo habitáculo, mas pelo que me lembro isso é normal.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Dia 96

6600 Reais e 90 dias depois está assim: apesar de andar bem, patina em primeira e ré. E em movimento o motor não desenvolve, o giro chega nos 3000 e começa a cair. Se eu alivio o pé um pouco ela passa a marcha (para cima) e o motor volta a desenvolver. 

Levei lá e o mecânico me diz que a culpa é da bomba de gasolina. Até acredito que a bomba possa estar ruim, mas pinto minha XJ de rosa de não tiver nada de errado com o câmbio.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Dia 84

Finalmente o carro ficou pronto. Saí da oficina e abasteci o tanque. Na primeira acelerada senti que o carro ficava fraco na segunda marcha. Acho que vai ter que voltar pra oficina...

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Dia 49- em busca de uma solenóide muito especial

Meu carro ainda não está pronto. O motivo da demora é a obtenção de uma solenóide que não se acha à venda. O dono da oficina pacientemente me explicou que meu câmbio é de um modelo ligeiramente diferentemente do padrão das outras muitas Cherokee Sport que vieram para o Brasil e que a "caixa de válvulas" não é a mesma. Vai pedir nos Estados Unidos.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Dia 21

recebi um telefonema com o orçamento. Achei salgado, mas entendi que estava pagando por um serviço de nível superior. Aprovei. A promessa de entrega do carro era de mais ou menos duas semanas, uma vez que algumas peças precisavam ser encomendadas. Achei muito, mas não havia motivo para pressa.

DIA 14

Apareci na oficina para dar uma olhada. O orçamento prometido para semana passada ainda não tinha saído. Em verdade após quase dois anos com o carro na garagem eu não tinha muito como justificar qualquer pressa, salvo ansiedade e vontade de ver o Bombeiro andando novamente.

O mecânico que me atendeu foi simpático. Mostrou todas minhas peças desmontadas e deu uma explicação breve do que estavam fazendo. Prometeu que o orçamento sairia em breve.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Dia ZERO

Estamos em Setembro de 2010, e imaginei que seria hora de consertar o bombeiro para uma viagem de final de ano. Nada de américa do Sul novamente. Minhas intenções eram modestas: um passeio pela Serra da Canastra, em Minas Gerais. 

Eu não esperava que o conserto fosse sair barato, mas mesmo assim estava decidido a não economizar. O câmbio é na minha opinião um componente que se quebrar no meio "do nada" (e eu ando muito por essa região)  iria me deixar em mais lençóis. Assim, optei por uma oficina de renome, que me desse um garantia de verdade e com mecânicos que soubessem onde estavam se metendo.

Decidi pela "Pradomatic" na avenida Santo Amaro em São Paulo. Apareci lá e fiquei bem impressionado: Entre muitos carros havia uma Maseratti, um Mecedes antigo e... um Cherokee igual ao meu. Na recepção a parede era coberta por diplomas e certificações que me convenceram: Estou no lugar certo.

O dono é muito simpático, e me convenceu que entende do riscado. Me pediu uma "autorização para desmontar o câmbio". Isso significa que vão desmontar tudo e se eu não aceitar o orçamento tenho que pagar pelo menos essa mão de obra, que é de 1.800 Reais. Pensei um pouco... acabei concordando que era justo e aprovei.

Apertamos as mãos e fui embora. O orçamento foi prometido para a próxima semana.


sábado, 14 de fevereiro de 2009

Antes de ir pra oficina

No reveillon de 2008 para 2009 o "bombeiro" fez uma viagem pela américa do Sul, que pode ser apreciada aqui: http://1jipe.blogspot.com/ .

Voltou pra São Paulo em grande estilo, mas um mês depois o câmbio começou a dar sinais de cansaço. Patinava em subidas, sobretudo quando estava quente. Isso era fevereiro de 2009.

Acabei deixando-o de lado, empurrando com a barriga a solução do problema.

domingo, 14 de dezembro de 2008

O carro

Algumas pessoas gostam de seus carros. Eu adoro. Dormiria com ele sob meu travesseiro se assim fosse possível. Fico profundamente chateado quando me argumentam que eu deveria me desfazer dele.

Trata-se de um Jeep Cherokee Sport, vermelho, ano 1997 modelo 1998 apelidado pelos meus amigos de "Bombeiro". Tem a configuração mais comum entre os que rodam no Brasil, que é o motor 4.0 de seis cilindros em linha com câmbio automático de quatro marchas Aisin Warner (AW4-A340) e caixa de redução modelo "Command-Trac" (NP-231).

Comprei-o em 2004 com (alegados) 33 mil quilômetros de uso. Hoje está com pouco menos de cem mil.

Está montado com um kit lift de 3 polegadas da marca ProComp e espaçadores para usar pneus de 31 polegadas.